A Cooperativa Terra Livre

Em outubro de 2008, nasce a Cooperativa Terra Livre, por iniciativa das famílias assentadas da Reforma Agrária do estado do Rio Grande do Sul, organizadas no MST. A sede da Cooperativa está no município de Nova Santa Rita, região metropolitana de Porto Alegre.

A Terra Livre vem no sentido de apoiar as famílias assentadas a buscarem alternativas produtivas na geração de renda, permitindo a permanência no campo por meio de sua reprodução econômica, social e cultural, numa perspectiva sustentável, em consonância com o meio ambiente e com a natureza que as circunda.

Em 2020, a cooperativa conta com 500 famílias associadas, tanto assentadas quanto de outros setores da agricultura familiar, abrangendo 30 de municípios do Rio Grande do Sul.

As famílias cooperadas na Terra Livre exercem atividades produtivas variadas, como a produção de leite, de arroz orgânico, feijão, mel, uva para produção de suco, tanto para comercialização quanto para a própria subsistência.

A Cooperativa Terra Livre atua como ferramenta de comercialização para os produtos destes camponeses, possibilitando acesso ao mercado de forma justa, valorizando seu trabalho e seu produto, eliminado o atravessador e possibilitando seu reconhecimento social enquanto produtoras/es do alimento.

Neste sentido, a Terra Livre vem atuando em diversas esferas do mercado:

Exportação

Desde 2014, a Cooperativa tem comercializado os alimentos da Reforma Agrária para países como Venezuela, Haiti, Alemanha e Espanha. Atualmente está em tratativa de negociação com outros países, principalmente África do Sul, Angola, Moçambique e Estados Unidos.

Mercado Institucional

Nesse mercado as vendas são voltadas para a merenda escolar, tanto para escolas estaduais, quanto para as municipais através do Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE. Atualmente atendemos escolas para além do RS, como os estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Ceará, Rio Grande do Norte, Bahia, e Paraná. O Programa de Aquisição de Alimentos – PAA também é um canal de comercialização , onde tem se realizado vendas aos Exércitos, Espaços Prisionais, Hospitais, restaurantes populares entre outras entidades sociais.

Mercado Convencional

A principal forma de atuação nesse mercado tem sido através de vendas para as organizações, associações e ONGs que tem realizado campanhas de doação de alimentos às famílias em situação de vulnerabilidade social durante a pandemia causada pelo Coronavírus (Covid-19). Outro espaço de vendas é o Armazém do Campo localizado em Porto Alegre e a loja virtual que faz as vendas online.

A Terra Livre e mais 20 cooperativas de produção agropecuária dos assentamentos do RS são associadas à Cooperativa Central dos Assentamentos do Rio Grande do Sul – COCEARGS. Esse conjunto de cooperativas, que são fruto da luta histórica destes camponeses pela Reforma Agrária no Brasil, ajuda a organizar mais de 13 mil famílias em 327 assentamentos, distribuídos em mais de 100 municípios do estado gaúcho. Elas contribuem com o desenvolvimento econômico e social das famílias e da região onde se localizam, por meio do estímulo à cooperação, ao auto sustento, à produção diversificada e à difusão da agroecologia.

A Coceargs dispõe de espaços de formação e capacitação para a base social de suas cooperativas, como o Centro de Educação Popular e Pesquisa em Agroecologia, em Candiota; o Instituto Educar, em Pontão e o Instituto Preservar, em Viamão. Neste mesmo sentido, também construiu parcerias para a formação técnica e profissional das/os assentadas/os e suas/seus filhas/os com o Instituto de Educação Josué de Castro, em Veranópolis, para o curso Técnico em Administração de Cooperativas; com a Universidade Federal de Pelotas, para o curso de graduação em Medicina Veterinária; com a Universidade Federal da Fronteira Sul, para a graduação em Agronomia e com o Instituto Federal do Rio Grande do Sul (campus Sertão), para o curso de Técnico Agrícola com ênfase em Agroecologia.

A Coceargs está credenciada no Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento – MAPA para a certificação participativa da produção dos alimentos orgânicos.

O MST é considerado atualmente o maior produtor de arroz orgânico da América Latina.

A Terra Livre e as demais cooperativas vinculadas ao MST no estado do Rio Grande do Sul fazem parte da construção de um outro projeto de desenvolvimento para o Brasil, voltado para a soberania alimentar e popular, para a equidade social e para o equilíbrio ambiental. Este projeto se apresenta para o campo como a Reforma Agrária Popular.

O que é Reforma Agrária Popular?

A Reforma Agrária Popular é um projeto do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) que se insere como parte dos anseios da classe trabalhadora brasileira de construir uma nova sociedade, que seja igualitária, solidária, humanista e ecologicamente sustentável. As medidas necessárias para a sua concretização fazem parte de um amplo processo de mudanças sociais e, fundamentalmente, da alteração da atual estrutura de propriedade da terra, de organização da produção de alimentos e da relação do ser humano com a natureza.

Por que fazer Reforma Agrária Popular?

A Reforma Agrária Popular é fundamental para eliminar a pobreza no campo, combater a desigualdade social e a degradação da natureza e garantir trabalho, distribuição de renda e soberania alimentar para todas as pessoas, produzindo alimentos saudáveis e desenvolvendo os mercados locais. Tem como um de seus objetivos, dar condições de participação igualitária às mulheres que vivem no campo, em especial no acesso à terra e na gestão de todas as atividades. Busca preservar a biodiversidade vegetal, animal e cultural em todas as regiões do Brasil e melhorar a vida das famílias, estimulando a permanência no campo, especialmente da juventude, por meio de moradia, do trabalho, da renda, da educação, da cultura e do lazer.

0
    0
    Carrinho
    Seu carrinho está vazioVoltar à loja